o filme

Pela madrugada de São Paulo, as personagens grafitadas em muros, postes e lixeiras ganham vida e dançam contracenando com o cenário acinzentado da capital. Ao misturar a cultura clássica dos anos 50 em ritmo de bolero com a urbanidade contemporânea do graffiti, o filme Graffiti Dança transporta-nos para um cotidiano imaginário onde a rotina e frieza da metrópole revela uma poesia sobre a relação entre as pessoas e a cidade.

Os fotogramas do filme estão espalhados pela capital paulista, o que faz com que o movimento do cinema possa ser percebido de uma outra maneira ou até mesmo reproduzido, caso o a pessoa fotografe os desenhos do muro em sequência.

Cinema, poesia, graffiti. A diversidade cultural de São Paulo está exposta nesse filme, um curta-metragem criado por Rodrigo EBA! e feito pelo coletivo Graffiti com Pipoca, que trabalha com graffiti e animação desde 2005, com produção da Cavalo Marinho Audiovisual, e co-produção Jeronimo Filmes.

Por dentro do Graffiti Dança

Bolero

O primeiro bolero foi ouvido na voz do cubano José Sanchéz no ano de 1883. O ritmo ficou conhecido por toda a América latina e influenciou o samba-canção, o mambo, o chá chá chá e a salsa. No Brasil teve o seu auge junto com a era de ouro da rádio nas décadas de 1940 e 1950.

No filme Graffiti Dança, o bolero foi composto e gravado em 2012, mas buscando o clima, arranjos e letras passionais dos anos 1950.

Graffiti

Os desenhos nas paredes datam de períodos pré-históricos, onde eram utilizadas como formas de comunicação e expressão, mas ganhou notoriedade ao ser utilizado pelo movimento contracultural no final da década de 1960, o que fez com que muitos países tratassem essa arte como crime de vandalismo.

Mesmo com essa proibição, ou justamente por ela, essa linguagem passou a ser utilizada com mais freqüência, e em formas de textos ou desenhos as mensagens ganhavam o mundo.

Na década de 1970, através do movimento Hip Hop, Nova York torna-se o palco principal para essas manifestações artísticas. As gangues viam aquela forma de arte como um meio de desvirtuar a violência em que viviam e expressar suas ideologias muitas vezes reprimidas.

No Brasil a cultura Hip Hop chega em São Paulo no início da década de 1980, e rapidamente torna-se uma arte com forte apelo social com diversos praticantes pelas ruas da cidade. Hoje o graffiti  ganhou as galerias de todo o mundo e é considerada uma das formas de artes visuais que mais representam o urbanismo.

Stop Motion

Técnica de animação produzida fotograma por fotograma utilizada desde os primórdios do cinema. A ideia consiste em fotografar quadro a quadro modificando poucos detalhes do personagem para que crie a ilusão de movimento.

Para produzir os 6 minutos de Graffiti Dança foram realizados 174 desenhos grafitados e fotografados nas madrugadas pelas ruas de São Paulo. Foram mais de 2000 fotografias de graffitis, estênceis e colagens.